Arquivo da tag: Mal

O serial killer como narrador em Zombie, de Joyce Carol Oates (Luciano Cabral)

Resultado de imagem para zombie joyce carol oates“Partindo do julgamento de Adolph Eichmann e das observações de Arendt, pretendo mostar que há uma estreita relação entre o que acontece e o relato deste acontecimento (ou entre fábula e enredo, respectivamente). A pesquisa que planejo, como doutorando, encontra-se justamente nesta relação. A narrativa do serial killer enquanto produtor e transmissor do horror (um horror artístico) que ele mesmo inflige é meu corpus de investigação – por isso, a necessidade de sua narração ser autodiegética. As obras ficcionais de crime têm frequentemente utilizado informações sobre matadores seriais reais para compor suas tramas. Porém, assim como Eichmann, o comportamento deste assassino real é tão trivial e suas motivações tão banais, que ele se torna ineficiente como narrador de seus próprios atos horríveis. Para que eventos e relatos tornem-se igualmente horríveis, argumento ser preciso alinhar estes dois elementos. Isto implica dizer que a narrativa deve afastar-se da monotonia discursiva do serial killer real. Há romances, entretanto, que optam por manter esta monotonia discursiva, como parece ser o caso de Zombie (1995), de Joyce Carol Oates. Se é correto afirmar tal coisa, como este assassino ainda mantém (se é que mantem) seu caráter horrível? Explorar as estratégias narrativas desta obra parece ser o caminho para responder a esta pergunta.”

Leia o ensaio completo aqui.

(*) Esse ensaio foi publicado originalmente nos Anais do XV Congresso Internacional da ABRALIC. Republicamos aqui, com autorização do próprio autor, com fins puramente acadêmicos.

Anúncios

Por uma semiótica do mal: “The imp of the perverse”, de Edgar Allan Poe (Leonardo Almeida)

“Publicado pela primeira vez no Graham’s Lady’s and Gentleman’s Magazine, em julho de 1845, o conto The imp of the perverse, de Edgar Allan Poe, trata de um insólito acontecimento: o assassinato premeditado por intermédio de um ato de leitura. Procurando desvendar a causa secreta da impulsividade humana, Poe questiona a acepção da liberdade, já que o homem é livre na medida em que o gesto do pensamento pode ser sua perdição. Ou seja, se o narrador em primeira pessoa infringe a lei, buscando a liberdade, consegue esta na sua própria impossibilidade: é livre para perder o direito de sê-lo. Desse modo, o paradoxo do autor de O corvo se constrói mediante a proliferação do ‘gênio maligno’ de René Descartes, descrito em suas Meditações, a qual se afirma por uma semiótica do mal, procedimento que tem na anatomia do impulso seu móbil particular.”

Leia o ensaio completo

*Este texto foi publicado originariamente no no. 24 da Revista Soletras, da UERJ-FFP.