Arquivo da tag: locus

O lugar enquanto emanação do terror (Maurício Cesar Menon)

7354504_Y8epD“O lugar encontra, em nossa vida, um espaço afetivo de singular importância capaz de delinear os contornos de nossa própria existência. É nele que nascemos e que nos identificamos culturalmente e socialmente, mas também é nele que morremos e deixamos a nossa memória. Essa memória pode tornar-se, também, parte integrante do lugar, ajudando a escrever a história deste.

Construída de diferentes maneiras, tal memória pode ser constituída de fatos que trazem à tona momentos felizes, momentos de grande decisão, momentos trágicos e por vezes, até, momentos que guardam uma aura de mistério ou de terror. Geralmente quando se dá este último aspecto da memória ligada ao lugar, cria-se ao redor dele uma atmosfera fantástica que pode passar a gerar outras histórias do mesmo cunho.

Há muito lugares ao redor do mundo que encontram-se envoltos por uma atmosfera de mistério. Visita-se o castelo de Drácula na Romênia, onde viveu o príncipe Vlad Tepes, espaço figurativo do romance homônimo de Bram Stocker; visitam-se os castelos ditos assombrados da Inglaterra, espaços que deram origem a muitas das histórias inglesas de fantasmas; viaja-se até Loch Ness, na Escócia, na esperança de se ver um monstro emergir das profundezas do lago escuro, mesmo já desmentida a lenda. Eis aí apenas alguns dos constructos ligados ao imaginário de lugares onde a fantasia e mistério mesclam-se à realidade, tornando as fronteiras entre o real e o irreal, muitas vezes, indefinidas.”

Leia o ensaio completo


Onde mora o medo: a transformação do espaço doméstico em Gastão Cruls (Ana Paula A. Santos)

“(…) Em Gastão Cruls, essas particularidades da estética gótica não são perceptíveis de imediato. As semelhanças com os cenários góticos são atingidas após a transformação progressiva do espaço inicial de um locus amoenus – que, em “Noturno nº 13”, “Noites brancas” e “O espelho”, é representathe-horror-house-living-roomdo por um espaço doméstico, ou seja, um ambiente onde os aspectos familiares criam certa sensação de segurança e conforto – para um locus horribilis. (…)”

Leia o ensaio completo