Arquivo da tag: literatura infantojuvenil

Monstros assustadores e terror na literatura para crianças e jovens (Felipe Ribeiro Campos)

“(…) Falar sobre terror, especialmente sobre monstros, permite a discussmonstro_dentes_garrasão de um mundo fantástico cheio de perigos, dificuldades e obstáculos, mas também de personagens que são decididos e que descobrem a força dentro deles mesmos. Para o leitor que encontra livros que descrevem essas aventuras, é a chance de fugir da realidade por um tempo e, além disso, depois que fechar o livro, compreender certos valores e estabelecer maior relação com a literatura e com o que está nas entrelinhas do texto.

Essa pesquisa também é uma oportunidade de selecionar, em meio a vários livros direcionados ao público infantojuvenil, alguns títulos que tratam de assuntos um pouco mais delicados de uma maneira que não se preocupa em ser didática e outros que tratam de temas que até tempos atrás eram considerados inapropriados para as crianças e, com todo o cuidado, são passados de forma divertida e não traumatizante. (…)”

Leia a monografia completa


Terror à brasileira: narrativas de medo para crianças e adolescentes (Rosa Gens)

“Por que dar atenção a narrativas que se centralizam no medo? Basta pensar, inicialmente, no movimento de fascinação que crianças e jovens têm apresentado, ao longo dos últimos anos, em relação a obras que se fundamentam no susto e no pavor. Nas três últimas décadas, principalmente, multiplicaram-se liv237a0ff26836e7e3175e59b1f260d8e0ros e filmes que provocam sensações de horror e, mais do que isso, fazem do medo o seu tema básico. Um arrepio, um recuo ao toque, uma sensação de náusea, repulsa e pronto: estamos face ao que não desejávamos e é impossível recuar. O horror, é certo, nos causa ameaça. Em última instância, ameaça o nosso mundo, que já anda para lá de ameaçador. Não é de espantar que o mundo se envolva em artefatos, à maneira das cidadelas medievais, para que se afaste o medo, e, é claro, os bárbaros que possam causá-lo. Assim, engenhocas são mentadas para que os civilizados se sintam mais seguros, envoltos em redes ou grades, em circuitos fechados. No entanto, por entre possibilidades de balas perdidas e um assalto a cada esquina, podemos nos dar ao luxo de ficarmos assustados com histórias de vampiros, lobisomens, monstros, fantasmas… (…)”