Arquivo da tag: lewis carroll

Wonderland: o efeito sublime e as aventuras de Alice (Marina Ferraz Rocha)

“O nome “Wonderland” sugere uma terra repleta de coisas estranhas e surpreendentes, fonte de interesse e de surpresa. Contudo, outra acepção da palavra “wonder” é importante para a compreensão da atitude de Alice. Como um verbo, “to wonder”, significa pensar ou especular curiosamente; ser tomado por admiração ou maravilhamento; duvidar. Dessa forma, Wonderland é tanto o país das maravilhas, quanto a terra das especulações. A atitude curiosa e especulativa de Alice é o ponto de partida para se investigar o sublime no texto de Lewis Carroll. Começa-se por esses elementos, pois é por meio deles que se dá o processo de maravilhamento na obra; ele não ocorre de forma sensorial, valendo-se de imagens ou outros recursos que produzam sensações sublimes.

O maravilhamento é produto da falta de sentido, é resultado de um jogo curioso com a razão; assim, ocorre nos domínios da cognição, pois está além do racional. É nesse ponto que poderia ser pensada a relação com o sublime, pois de acordo com Edmund Burke, a origem da força do sublime não resulta de raciocínios, mas “antecede-os e nos arrebata com uma força irresistível”. Sob a influência do efeito sublime, o sujeito não pode nem pensar sobre o objeto que é o foco de sua atenção. Alice vive uma sequência de acontecimentos fantásticos que escapam à racionalidade e, assim, inspiram-na maravilhamento e admiração – um efeito secundário do sublime.

No entanto, a produção do efeito sublime não é completa, pois falta um elemento essencial. Em Alice’s Adventures in Wonderland, o terror e o medo não figuram dentre o conjunto de reações da personagem. A produção do efeito sublime é abortada devido à ausência de elementos terríveis e ao excesso de curiosidade, que não abre espaço para a densidade e a intensificação da admiração produzida pelos acontecimentos incomuns que protagoniza.”

Leia o ensaio completo


Alice no país das maravilhas (Lewis Carroll)

“Mas nesse ponto, para grande surpresa de Alice, a voz da Duquesa se apagou, bem no meio da sua palavra favorita, ‘moral’, e o braço que estava entrelaçado com o seu começou a tremer. Alice olhou para cima e ali estava a Rainha diante delas, com os braços cruzados, o cenho franzido e os olhos faiscando.2011-02

– Lindo dia, não, Majestade? – começou a dizer a Duquesa em voz baixa e fraca.

– E agora, lhe dou um aviso leal – gritou a Rainha, batendo com o pé no chão enquanto falava – ou você ou a sua cabeça deve desaparecer num abrir e fechar de olhos! Escolha!

A Duquesa escolheu, sumindo no mesmo instante.

– Vamos continuar com o jogo – disse a Rainha para Alice.

E esta assustada demais para dizer uma palavra que fossem, seguiu-a lentamente de volta ao campo de croquet.

Os outros convidados tinham aproveitado a ausência de Rainha para descansar na sombra. Mas desde que a avistaram apressaram-se a voltar ao jogo, tendo a Rainha simplesmente observado que um minuto de atraso lhe custaria a vida.

Durante o tempo todo que jogaram a Rainha não parou um minuto de discutir com os jogadores e gritar “Cortem a cabeça dele!” ou “Cortem a cabeça dela!”. Os que eram sentenciados ficavam sob a custódia dos soldados, que naturalmente tinham de deixar a sua posição de arcos. Assim, em cerca de meia hora mais ou menos, não havia mais arcos no campo, e todos os jogadores, exceto o Rei, a Rainha e Alice, estavam presos e sentenciados à morte.”

Leia aqui o romance completo, em inglês