Arquivo da tag: inglês de sousa

Monstros Góticos nos Contos Amazônicos, de Inglês de Sousa (Luciano Cabral)

Resultado de imagem para contos amazônicos
“Sendo a versão mais extremada do Realismo, o Naturalismo intitulou-se a escola literária que representou, com maior precisão, a realidade humana. Porém, os escritores naturalistas brasileiros valeram-se de elementos góticos para compor certa gama de histórias. Os Contos Amazônicos, de Inglês de Sousa, oferecem três narrativas cujos monstros presentes parecem atestar este fato.”

Leia o ensaio completo aqui.

(*)Esse ensaio foi publicado originalmente na Revista Acadêmica Todas as Musas, n.1 (2017). Republicamos aqui, com autorização do próprio autor, com fins puramente acadêmicos.


A imoralidade monstruosa: violência e medo em “A Quadrilha de Jacó Patacho”, de Inglês de Sousa (Raphael Camara & Júlio França)

“O ensaio propõe uma leitura do conto ‘A Quadrilha de Jacó Pascreen-shot-2015-04-02-at-8-46-30-pmtacho‘, de Inglês de Sousa, procurando descrevê-lo como um exemplo de ‘literatura do medo’ no Brasil. O objetivo principal é entender o papel dos personagens monstruosos na produção do medo estético em nossa literatura, a partir dos conceitos de monstruosidade desenvolvidos por Noël Carroll e Jeffrey Jerome Cohen.”

Leia o ensaio completo


O Grotesco: um corpo estranho na literatura do medo no Brasil (Raphael Camara)

“O ensaio visa refletir sobre a categoria estética do Grotesco e suas implicações na literatura dthe_grotesque_by_muirin007-d3c48jdo medo brasileira, a partir dos estudos de Wolfgang Kayser, Mikhail Bakhtin e Geoffrey Galt Harpham. Meu objetivo específico é pensar, em caráter inicial, sobre as relações que podem ser estabelecidas entre essa categoria estética e a literatura do medo no Brasil, analisando assim os diversos modos de produção do efeito grotesco, causado especialmente por personagens monstruosas. Como corpus de análise, serão utilizadas narrativas brasileiras, publicadas entre o fim do século XIX e início do século XX, dos autores Inglês de Sousa, João do Rio e Monteiro Lobato.”

Leia o ensaio completo