Arquivo da tag: identidade

O terror decadentista no romance “No hospício”, de Rocha Pombo (Pedro Puro Sasse da Silva)

malucos“(…) A obsessão pelo outro tortura de tal maneira o narrador que ele tem vontade de libertar-se do vínculo que ele mesmo criara com seu duplo. Supostamente, assim como se internara por vontade própria, por vontade própria poderia ir-se. Porém, a loucura, o grilhão que o liga a Fileto, agora também lhe prende ao hospício:

Por um momento, tive desejos de não ser doido, de ser livre outra vez, para dar a minha vida a tensão de um grande êxtase. Como eu seria feliz de poder afastar-me para além, rumo do mundo… (IBID., p. 89)

A loucura da qual ele quer se libertar é a própria condição que o une a Fileto. Ele sabia que se afastar significaria voltar ao universo vazio do qual viera, algo que ele não podia suportar. Logo, para poder ser finalmente livre, necessitaria não só ser parte de Fileto, mas sê-lo por completo, deixar de ser um duplo para ser o Eu completo. Uma vez descoberto tudo o que lhe escondia a alma de Fileto, estaria pronto para viver sua vida por completo. (…)”

Leia o ensaio completo


O tema do duplo em “William Wilson”, de Edgar Allan Poe (Julio França)

“(…) o tema do duplo se faz presente na literatura, da antiguidade até os nossos dias. Como motif, o duplo é um artifício que assume muitas encarnações – espelhos, sombras, fantasmas, aparições, retratos. Os efeitos cômicos gerados por gêmeos, por sósias, por identidades duplicadas, pela semelhança física entre as personagens ou pela usurpação da identidade fazem-se presentes em Aristófanes, Plauto, Shakespeare, Molière, para citar apenas alguns. No campo da literatura fantástica, o tema do duplo tem raízes profundas e aparece em obras capitais do gênero, como Der Sandmann, de E. T. A. Hoffmann, Frankenstein, de Mary Shelley, The strange case of Dr. Jekill and Mr. Hide, de Robert Louis Stevenson, The Picture of Dorian Gray, de Oscar Wilde, entre outras. No campo da crítica, há mesmo um termo, alemão, específico, – utilizado para se referir aos duplos, almas gêmeas ou mesmo projeções fantasmagóricas que não vistos por ninguém a não ser pelo seu portador –, que foi introduzido no vocabulário da crítica no final do século XVIII.(…)”

Leia o ensaio completo


William Wilson (Edgar Allan Poe)

“(…) Uma noite, depois do encerramento de meu quinto ano na escola e imediatamente após a altercação acima mencionada, verificando que todos imergiam no sono, levantei-me da cama e, de lâmpada na mão, deslizei através de uma imensidade de estreitos corredores do meu quarto para o de meu rival. Longamente planejara uma dessas peças de mau-gosto, à custa dele, em que até então eu tão constantemente falhara. Era, agora, minha intenção pôr o plano em prática e resolvi fazê-lo sentir toda a extensão da malícia de que eu estava imbwilliam_wilson___edgar_allan_poe_by_mgkellermeyer-d6px8cruído. Tendo alcançado seu quartinho, entrei silenciosamente, deixando a lâmpada do lado de fora, com um quebra-luz por cima. Avancei um passo e prestei ouvidos ao som de sua respiração tranquila. Certo de que ele estava dormindo, voltei, apanhei a luz e com ela me aproximei de novo da cama. Cortinados fechados a rodeavam; prosseguindo em meu plano, abri-os devagar e quietamente, caindo então sobre o adormecido, em cheio, os raios brilhantes de luz, ao mesmo tempo que meus olhos sobre seu rosto. Olhei, e um calafrio, uma sensação enregelante no mesmo momento me atravessou o corpo. Meu peito ofegou, meus joelhos tremeram, lodo o meu espírito se tornou presa de um horror imotivado, embora intolerável. Arquejando, baixei a lâmpada até quase encostá-la no seu rosto. Eram aquelas … aquelas as feições de William Wilson? Vi, de fato, que eram as dele, mas tremi como num acesso de febre, imaginando que não o eram. Que havia em torno delas para me perturbarem desse modo? Contemplei, enquanto meu cérebro girava com uma multidão de pensamentos incoerentes. Não era assim que ele aparecia – certamente não era assim – na vivacidade de suas horas despertas. O mesmo nome! Os mesmos traços pessoais! O mesmo dia de chegada ao colégio! E, depois, sua obstinada e incompreensível imitação de meu andar, de minha voz, de meus costumes, de meus gestos! Estaria, em verdade, dentro dos limites da possibilidade humana que o que eu então via fosse, simplesmente, o resultado da prática habitual dessa imitação sarcástica? Horrorizado, com um tremor crescente, apaguei a lâmpada, saí silenciosamente do quarto e abandonei imediatamente os salões daquele velho colégio, para neles nunca mais voltar a entrar. (…)”