O monstro (J.-K. Huysmans)

9879ef3bafd830487992d10f54bb8879cde250bd_00“Joris-Karl Huysmans foi um escritor e crítico de arte francês, cuja variada obra é composta tanto por romances naturalistas quanto decadentes, além daqueles de cunho religioso. Foi bastante atuante nos periódicos da época, como o Le Voltaire, em que defendia o trabalho dos pintores impressionistas contra as reprimendas de diversos intelectuais do período.

Suas obras revelam, em diversos momentos, poéticas relacionadas a efeitos de recepção negativos, como o horror, a repulsa e o grotesco. É o caso de Às avessas (1884), considerada a obra paradigmática da decadência literária, que apresenta uma visão de mundo bastante desencantada e explicita uma série de transgressões morais, e de Là-bas (1891), em que o ocultismo e o satanismo são temas centrais do enredo que gira em torno da história de Gilles de Rais, o personagem histórico acusado pelo estupro e assassinato de diversas crianças.

Selecionamos para nossa antologia o ensaio ‘O Monstro’, publicado em Certains (1889). Nele o autor traça um panorama das principais manifestações da monstruosidade em diferentes realizações artísticas ao longo da história. O seu principal objetivo é comprovar a hipótese de que as monstruosidades teriam praticamente desaparecido das artes e não mais existiriam na contemporaneidade finissecular. Huysmans acredita que os monstros perderam progressivamente a capacidade de horrorizar, ao se aproximarem do burlesco e do cômico. Apesar desse fenômeno, ele defende que o final do século XIX, com seu avanço científico, ofereceria novos instrumentos para a criação de monstros. Após longo período sem criarem formas monstruosas originais e verdadeiramente assustadoras, os artistas deveriam se utilizar dos conhecimentos científicos sobre os microorganismos, as larvas e os vermes para engendrar novas criaturas aterrorizantes.”

Leia aqui o ensaio completo.

(*) Esse ensaio faz parte da coletânea As Artes do Mal: textos seminais, organizada por Júlio França e Ana Paula Araújo. Adquira o livro aqui.

Sobre William Wilson

"Eu descendo de uma raça que se distinguiu, em todos os tempos, por um temperamento criativo e facilmente irritável; e que, desde a minha infância, provou que eu herdara por completo o caráter de minha família." Ver todos os artigos de William Wilson

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: