O corpo feminino no cinema de horror: representações de gênero e sexualidades nos filmes Carrie, Halloween e Sexta-Feira 13 (Gabriela Müller Larocca)

Resultado de imagem para carrie 1976“Nos Estados Unidos, o final da década de 1970 viu surgir uma força política reacionária à contracultura dos anos 1960 e às suas forças libertárias, que organizava e avançava seu projeto apoiada por eleitores que temiam o término da segregação racial e os novos valores sexuais e morais. Críticas ao feminismo, à homossexualidade, ao aborto, ao divórcio e à “falta de autoridade social” começaram a ser tornar mais articuladas e frequentes, sendo que tal neoconservadorismo contou com o apoio da produção cultural e encontrou no cinema um forte aliado. O horror cinematográfico possui diversos subgêneros, sendo um deles denominado como slasher (derivado da palavra da língua inglesa slash, que significa retalhar ou cortar) surgindo no final da década de 1970 e atingindo grande popularidade nos anos 1980. Seus enredos geralmente contam a história de um psicopata que persegue e mata um grande número de vítimas, masculinas e femininas, sendo estas em sua grande maioria adolescentes, transgressores sexuais, marcados para a destruição devido a seus comportamentos e envolvimentos com bebidas, drogas ilícitas e sexo. Em 1976 Brian de Palma dirigiu o filme Carrie, a Estranha, no qual a figura feminina é tratada com desconfiança e cuja sexualidade é reprimida por diversos fatores. A personagem principal adquire uma conformação monstruosa devido às conotações com a sexualidade de uma jovem que chega à adolescência. Poucos anos mais tarde, são sucessivamente lançados os filmes Halloween (1978) de John Carpenter e Sexta-Feira 13 (1980) de Sean S. Cunningham, ambos trazendo fortes elementos de violência contra o corpo feminino, com características conservadoras em relação à sexualidade, família e maternidade. A presente pesquisa, iniciada em 2014, propõe identificar e analisar a construção dessas produções cinematográficas e suas representações de gênero e sexualidade, bem como a abordagem específica em relação às mulheres, alvo preferencial da violência e da punição em tais produções. Ademais, deveremos refletir sobre a importância da maternidade e da feminilidade no gênero fílmico de horror, como parte de uma longa tradição cultural que as associam ao mal, assim como as incertezas, medos e inseguranças que despertam numa sociedade ainda marcadamente patriarcal. Pretende-se explorar como tais filmes representam um ajustamento visível nos termos de representação de gênero e da figura feminina num contexto cultural estadunidense abertamente reacionário, se mostrando em consonância com as reações políticas e culturais conservadoras da década de 1980.”

Leia o ensaio completo aqui.

(*)Esse ensaio foi publicado originalmente nos  Anais do XV Encontro Estadual de História. Republicamos aqui, com autorização da própria autora, com fins puramente acadêmicos.

Sobre William Wilson

"Eu descendo de uma raça que se distinguiu, em todos os tempos, por um temperamento criativo e facilmente irritável; e que, desde a minha infância, provou que eu herdara por completo o caráter de minha família." Ver todos os artigos de William Wilson

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: