Os agentes do mal na literatura dos irmãos Grimm (Guilherme Weber)

Grimm's_Kinder-_und_Hausmärchen,_Erster_Theil_(1812).cover“A crueldade se faz presente de uma maneira geral em praticamente toda a literatura dos irmãos Grimm. Cabe relembrar que eles não assinaram a autoria original de suas histórias, já que a publicação de Kinder-Und Hausmärchen foi resultado de uma pesquisa ampla que visou um mapeamento das manifestações culturais e folclóricas dos povos de origem germânica (há outras publicações como livros e artigos acerca desse estudo, mas a coletânea de contos populares é a obra mais conhecida e estudada até hoje). A cultura popular atual faz uso frequente da expressão “contos dos Grimm” para se referir as histórias coletadas e narradas pelos pesquisadores alemães, mas é conveniente destacar que as mesmas já existiam na tradição oral europeia e o foco principal dos estudos dos dois pesquisadores não era investigar a gênese dos contos, mas registrar os valores e crenças culturais, folclóricos e religiosos germânicos que estavam ali presentes. O trabalho de coleta e registro dos contos de Kinder-Und Hausmärchen não exime Jacob e Wilhem Grimm de terem certo grau de autoria nas narrativas, que assim como Charles Perrault, lidam com temáticas obscuras e polêmicas que, em um primeiro momento, não deveriam fazer parte de um conteúdo literário destinado a crianças. O presente artigo, vinculado à pesquisa desenvolvida no Mestrado em Estudos da Linguagem da UFG – Regional Catalão analisa a maneira que a obra Kinder-Und Hausmärchen, de Jacob e Wilhem Grimm, instrumentaliza o medo por meio de elementos como a violência, assassinatos, conspirações, ambição, mutilações, canibalismo e feitiçaria que são utilizados por agentes do mal (representados por lobos, monstros, bruxas e madrastas) em alguns de seus contos mais conhecidos pelo grande público. É importante notar que nos contos dos Grimm, a luta do bem contra o mal é apresentada de modo que no final da história, o bem prevalece por meio de um desfecho moralizante.”

Leia o ensaio completo

(*) Esse ensaio foi publicado originalmente nos Anais do CENA IV, v.2. Republicamos aqui, com autorização do próprio autor, com fins puramente acadêmicos

Anúncios

Sobre William Wilson

"Eu descendo de uma raça que se distinguiu, em todos os tempos, por um temperamento criativo e facilmente irritável; e que, desde a minha infância, provou que eu herdara por completo o caráter de minha família." Ver todos os artigos de William Wilson

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: