O cão dos Baskerville (Arthur Conan Doyle)

“Se eu a narrei é porque aquilo que é conhecido claramente produz menos terror do que aquilo que é apenas insinuado e imaginado. Nem se pode negar que muitos da família têm sido infelizes em suas mortes, que têm sido súbitas, sangrentas e misteriosas. Contudo possamos nós nos abrigar na bondade infinita da Providência, que não puniria para sempre os inocentes além da terceira ou quarta geração como ameaça a Sagrada Escritura. A essa Providência, meus filhos, por estas palavras os recomendo, e aconselho-os a título de cautela evitarem atravessar a charneca naquelas horas sombrias em que os poderes do mal são exaltados.”

Leia aqui o romance completo, em inglês

Anúncios

Sobre William Wilson

"Eu descendo de uma raça que se distinguiu, em todos os tempos, por um temperamento criativo e facilmente irritável; e que, desde a minha infância, provou que eu herdara por completo o caráter de minha família." Ver todos os artigos de William Wilson

Uma resposta para “O cão dos Baskerville (Arthur Conan Doyle)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: