Vampiros: poses e perversões (Fernando Monteiro de Barros)

vampiresummers“A sexualidade em sua modalidade violenta, noturna e predatória tem, desde a literatura gótica do final do século XVIII, sua mais recorrente metáfora no vampiro, figura mítica legada pelo Romantismo. Enfeixando o amor e a morte, os vampiros têm uma ligação indiscutível com as potências daimônicas e ctonianas: o romance Drácula, de 1897, coloca como principal ameaça do vampirismo a insaciabilidade de seu desejo sexual, tão mais ameaçador por ser percebido enquanto força incontrolável da natureza em sua indiferença arcaica. Neste sentido, os vampiros apresentam uma dimensão dionisíaca indiscutível e, curiosamente, além do próprio deus Dioniso também ter sido associado, por Eurípides, em As bacantes, a um caçador sedento de sangue, os rituais em sua homenagem culminavam na omofagia, ou seja, a ‘consumação imediata do sangue e da carne crua’ da vítima sacrificial, geralmente um touro ou um bode, após seu dilaceramento (diasparagmós, em grego) praticantes do culto.”

Leia o ensaio completo

Anúncios

Sobre William Wilson

"Eu descendo de uma raça que se distinguiu, em todos os tempos, por um temperamento criativo e facilmente irritável; e que, desde a minha infância, provou que eu herdara por completo o caráter de minha família." Ver todos os artigos de William Wilson

Uma resposta para “Vampiros: poses e perversões (Fernando Monteiro de Barros)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: