Carmilla, de Le Fanu, o conceito de subversão, abjeto e estranhamento no romance vampiresco (Adolfo José de Souza Frota)

Carmilla, Joseph Sheridan Le Fanu, é considerada uma das primeiras narrativas de línfriston_carmilla_laura_in_bedgua inglesa sobre o tema do vampirismo. Escrito em 1872, portanto 25 anos antes de Drácula, de Bram Stocker, o romance revela o perturbador relacionamento lésbico entre a protagonista Laura e a vampira Carmilla. Como uma predadora que somente ataca mulheres, a vampira de Karnstein esconde alguns segredos que são revelados durante o desenvolvimento do enredo. Esses segredos, importantes para a economia da narrativa, fundamentam a nossa discussão sobre a história, sob um ponto de vista literário. Mais do que um monstro que perturba e assombra a humanidade desde tempos antigos, o tema do vampiro permite uma leitura de questões da ordem psicanalítica ao constatarmos que a sua figura é subversiva por natureza e representa, também, os conflitos inerentes ao ser humano.”

Leia o ensaio completo

Anúncios

Sobre William Wilson

"Eu descendo de uma raça que se distinguiu, em todos os tempos, por um temperamento criativo e facilmente irritável; e que, desde a minha infância, provou que eu herdara por completo o caráter de minha família." Ver todos os artigos de William Wilson

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: