O medo à espreita: “A menina morta”, de Cornélio Pena (Luiz Eduardo da Silva Andrade)

“Cornélio Penna (1896-1958) é conhecido pela escrita misteriosa que imprime em seus romances. Em A menina morta (1954), encontramos um ambiente penumbroso, marcado por expressões contrastantes, ancoradas em uma atmosfera de medo e poder. Partindo inicialmente do jogo de claro-escuro, este trabalho aponta traços barrocos na narrativa estudada, almejando discutir a possibilidade dessa sombra, tão cara à estética barroca e aparentemente constante no romance, metaforizar a construção de uma sociedade pautada no medo e numa interdição velada dos discursos. Desse modo, conscientemente ou não, Cornélio faria uma releitura modernista de recursos seiscentistas. Percebe-se um clima aflitivo de relações cáusticas entre as personagens. Mesmo assim, as ações são silenciosa, seja no questionamento da estrutura patriarcal vigente, ou na agressão ao outro. Nesse ínterim, as personagens parecem teatralizar as relações entre si, traço reforçado pela angústia de se saberem presas ao labirinto espacial da casa-grande e ao labirinto discursivo construído pelo desencontro de informações que, paradoxalmente, movimentam a narrativa. Para discutir os traços barrocos criados pela ilusão do claro-escuro, as imagens labirínticas e o histrionismo das personagens (MIRANDA, 1979), nos valemos, dentre outros estudiosos, de Ávila (1971), Peyronie (1997), Sant’Anna (2000) e Maravall (2002). A partir dessa delimitação inicial, outros campos de análise são abertos, considerando que os elementos estéticos da narrativa, como o labirinto, o claro-escuro, a linguagem oral e os ouvintes/leitores, são convertidos em instrumentos de investigação social. Todos situados na interface de um olhar crítico que visa elucidar o funcionamento de uma estrutura do medo, alimentada pela manutenção de um poder que age modelando os comportamentos e discursos (FOUCAULT, 2009; 2010), com vistas a garantir a tradição do sistema patriarcal.”

Leia a dissertação completa

Anúncios

Sobre William Wilson

"Eu descendo de uma raça que se distinguiu, em todos os tempos, por um temperamento criativo e facilmente irritável; e que, desde a minha infância, provou que eu herdara por completo o caráter de minha família." Ver todos os artigos de William Wilson

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: