61 Cygni (Fausto Cunha)

“Ruth sonhara certa vez que se afogava na lama e a sensação que a tomou quando a gosma se abateu sobre ela foi a de quem se afogasse na lama. ‘Talvez alguém me salve’, disse, e quis gritar por socorro. Abriu a boca e os lábios ficaram abertos, entrando por eles aquela gosma salobra. A gosma foi abrindo caminho pela garganta e pelo esôfago, tomou-lhe o estômago, os intestinos, os rins. Por fora cobria-lhe o corpo, descia-lhe pelas coxas, numa cópula monstruosa. E veio a explosão de dor. Uma dor fulgurante, que se multiplicava em cutiladas profundas, a dor soltara seus mastins e a matilha crescia cada vez mais. Seu corpo inteiro se transformou em dor. Era como se estivesse sendo dissolvido em ácido, como se cada poro fosse invadido, como se cada tecido e cada célula fossem arrancados e substituídos. Os olhos já tinham deixado de ver aquela massa fluida que aos poucos se transferia para o seu organismo, mas a dor subia sem cessar, uníssona, aglutinante, e não se deteve nem mesmo quando a espuma se infiltrou pelo cérebro, queimando e corroendo”

Compre aqui As noites marcianas, de Fausto Cunha

Anúncios

Sobre William Wilson

"Eu descendo de uma raça que se distinguiu, em todos os tempos, por um temperamento criativo e facilmente irritável; e que, desde a minha infância, provou que eu herdara por completo o caráter de minha família." Ver todos os artigos de William Wilson

Uma resposta para “61 Cygni (Fausto Cunha)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: