A hora e a vez do sertão: o grotesco em Guimarães Rosa (Francis Paulina Lopes da Silva)

“(…) Em geral designando uma região basicamente rural e anacrônica, o sertão opõe-se à cidade, considerada como o centro mais avançado de progresso e civilização. É a terra sem lei, sem limites, dominada pevidas-secas-1lo mais forte. Mas em Rosa, os grandes sertões se confundem com a realidade humana, em que predomina o sistema de valores do jagunço. Nessa região misteriosa, ilimitada, múltipla e ambígua, coexistem Deus e o Demo, sossego e confusão, heróis e monstros. E nesse microcosmo se debate o homem, em sua eterna busca existencial. Aí então, tem lugar o grotesco, que invade os sonhos, quebra as expectativas, rompe a lógica existencial, ora gerando os conflitos, ora até mesmo se incorporando à rotina cruel do sertanejo, que busca sobreviver nessas regiões inóspitas. (…)”

Leia o ensaio completo

Anúncios

Sobre William Wilson

"Eu descendo de uma raça que se distinguiu, em todos os tempos, por um temperamento criativo e facilmente irritável; e que, desde a minha infância, provou que eu herdara por completo o caráter de minha família." Ver todos os artigos de William Wilson

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: