Medo da escuridão: Racismo e monstruosidade em Monteiro Lobato e Stephen Crane (Alexander Meireles da Silva)

“O fim do século dezenove e as primeiras décadas do século vinte na Europa e nas Américas foram marcados por um intenso debate sobre a questão racial. Sendo um dos mais expressivos grupos racreally-scary-monster-pictures-and-videos-monsters-for-2096iais nos Estados Unidos e no Brasil, a situação da população negra e seu papel sobre a identidade nacional se colocou como um problema abordado por pensadores e políticos dos dois paises. A literatura não ficou insensível a este cenário. Marcado pela influência de um discurso eugenista que via a constituição do povo como um fator para o progresso do país, o negro foi visto tanto nos Estados Unidos quanto no Brasil como um ser inferior cuja representação literária por vezes era similar aos monstros das narrativas góticas oitocentistas. Neste sentido, como este estudo pretende demonstrar a partir da análise dos contos ‘O Monstro’ (1898), de Stephen Crane e ‘O Bocatorta’ (1915), de Monteiro Lobato, o racismo das literaturas norte-americana e brasileira de fim de século, expressa nos textos através dos dois personagens negros monstruosos, funcionou como um elemento constitutivo do sublime.”

 Leia o ensaio completo

Anúncios

Sobre William Wilson

"Eu descendo de uma raça que se distinguiu, em todos os tempos, por um temperamento criativo e facilmente irritável; e que, desde a minha infância, provou que eu herdara por completo o caráter de minha família." Ver todos os artigos de William Wilson

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: